TRÊS COPOS PARA MUDAR DE VIDA

(1º COPO)

Pó para o preparo de bebidas energéticas – N.R.G.

(Registro no Ministério da Saúde ANVS/MS Nº 6.1609.0010)

        O Pó para o preparo de bebidas com Guaraná e chá preto é estimulante. O Guaraná (nome científico é Paullinia Cupana) é um arbusto originário da Amazônia, encontrado no Brasil e na Venezuela. A fruta do Guaraná possui uma substância parecida com a cafeína. É usado na fabricação de xaropes, barras de alimento, pós e refrigerantes (http://www.lojasaudavel.com/fmatteoli).

         Mistura-se instantaneamente com a água quente ou fria, constituindo uma fonte refrescante e ideal de líquidos.

 Ingredientes

        Guaranina e chá preto, Valor energético 0 kcal por porção de 1,7 g (1/2 colher de chá). Contém 40 mg de cafeína em 200 ml.

Benefícios Fisiológicos e Terapêuticos do N. R. G.

Segundo pesquisas científicas desenvolvidas no Brasil e América do Norte 

  • Energético e antidepressivo;
  • Reduz a sensação de fadiga;
  • Mantém a mente alerta, facilitando a concentração e fortalecendo a memória;
  • Alivia a ansiedade causadora da compulsividade;
  • Estimulante;
  • Aumenta a resistência nos esforços mentais e musculares:
  • Diminui a fadiga motora e psíquica;
  • Da mais disposição e energia durante o dia;
  • Adstringente, anti-esclerótico, antitérmico, diurético e febrífugo;
  • Ação tônica cardiovascular;
  • Combate as cólicas, nefralgias e enxaquecas.

 (2º COPO)

Pó para o preparo de bebidas com Ervas Aromáticas

(Registro no Ministério da Saúde Nº 6.1609.0011)

       O Pó para o preparo de bebidas com Ervas Aromáticas é uma combinação cuidadosa de ingredientes botânicos e naturais de rápida ação, baseada no chá verde oriental, uma variedade da Camellia Sinensis, de alta qualidade, sendo Lipolítico, auxiliando na decomposição das gorduras estocadas, Ergogênico, contribuindo para aumentar o nível de atividade orgânica o que eleva a sensação de energia e disposição reduzindo a sensação de fadiga, além de poderoso Antioxidante, protegendo contra os efeitos nocivos do excesso de radicais livres (http://www.lojasaudavel.com/fmatteoli).

        Disponível nos sabores original, pêssego, limão e framboesa; mistura-se instantaneamente com a água quente ou fria, constituindo uma fonte refrescante e ideal de líquidos, parte essencial de qualquer programa de controle de peso.

Ingredientes

        Maltodextrina, chá preto, frutose, chá verde, cafeína, ervas aromáticas (malva, cardomomo e hibisco), aromatizantes, acidulante ácido cítrico e edulcorante artificial acesulfame K. Valor energético 6 kcal por porção de 1,7 g (1/2 colher de chá). Contém 85 mg de cafeína em 200 ml.

Benefícios Fisiológicos e Terapêuticos do Chá Verde (Camellia Sinensis)

Segundo pesquisas científicas desenvolvidas na Ásia, Europa e América do Norte 

  • Combate o envelhecimento precoce das células;
  • Auxilia na regeneração da pele;
  • Promove a longevidade saudável;
  • Reduz o colesterol total e níveis de LDL (mau colesterol);
  • Aumenta os níveis do HDL (bom colesterol);
  • Reduz a pressão arterial;
  • Atua como anti-coagulante intravascular;
  • Reduz o risco de infarto do miocárdio;
  • Reduz os riscos de AVC (derrame cerebral);
  • Reforça os vasos sanguíneos;
  • Reduz os riscos de vários tipos de câncer;
  • Fortalece o sistema imunológico;
  • Atua como antiinflamatório e antigripal;                      
  • Ajuda a dilatar os brônquios facilitando a respiração dos asmáticos;
  • Auxilia nos tratamentos de gripe, bronquite e pneumonia;
  • Protege o sistema gastro intestinal de bactérias nocivas;
  • Auxilia nos processos digestivos;
  • Previne a formação de pedras na vesícula e nos rins;
  • Ajuda a normalizar a função da tireóide;
  • Previne cáries dentárias;

(3º COPO)

Pó para o preparo de bebidas para controle de peso

(Registro no Ministério da Saúde Nº 6.1609.0004/0005/0006/0007)

       O nosso pó nutricional instantâneo para o preparo de bebidas é especialmente formulado para proporcionar o máximo de saúde nutricional. Fornece os aminoácidos importantes para uma boa saúde, inclusive nove aminoácidos essenciais que o organismo não produz por si próprio. Alem disso contém carboidratos para fornecer energia rapidamente (hidrolisados), 24 vitaminas e minerais, inclusive as vitaminas A, E e C antioxidantes, ervas e menos de 1 grama de gordura por porção. Tem poucas calorias, reduzido teor de gordura e sódio, alem de ser uma excelente fonte de fibras dietéticas. (fonte http://www.lojasaudavel.com/fmatteoli).

        Disponível nos sabores baunilha, morango, chocolate e frutas tropicais; mistura-se instantaneamente com seu líquido de preferência (água, leite, suco, soja, iogurte, etc.). Combina uma mistura de proteínas de elevado valor biológico, carboidratos, fibras dietéticas, ácidos graxos poliinsaturados, vitaminas, minerais e elementos traços. Ao pó nutricional acrescentamos também uma porção do pó de proteína constituído de proteína isolada de soja e caseinato de cálcio.

Ingredientes

        Proteína isolada de soja, frutose, fibra de aveia, caseinato de cálcio, óxido de magnésio, cloreto de potássio, ácido ascórbico, fumarato ferroso, mel, pectina, cacau holandês processado, casca de psilio, camomila em pó, semente de erva-doce em pó, hibisco em pó, flor de laranjeira em pó, salsa em pó, hortelã em pó, mamão em pó, cloreto de sódio, gluconato de manganês, oxido de zinco, gluconato de cobre, cromo GTF, iodeto de potássio e selenometionina, acetato de di-alfa tocoferil, salsinha, mononitrato de tiamina, gluconato de cobre, lecitina de soja, celulose, goma guar, citrato de cálcio, carragena e aromatizantes. Valor energético 90 kcal por porção de 26 g (2 colheres de sopa).

 Benefícios Fisiológicos e Terapêuticos

Segundo pesquisas científicas desenvolvidas na América do Norte 

  • Contém todos os nutrientes necessários a uma vida saudável;
  • Alta digestibilidade;
  • Fornece uma nutrição equilibrada para controle de peso e qualidade de vida;
  • Baixo teor de calorias e de fácil absorção;
  • Contém fibras, importantes no processo digestivo;
  • Baixo em calorias, gordura e sódio;
  • Contém 18 aminoácidos, incluindo 9 aminoácidos essenciais para ajudar o organismo a funcionar num nível ótimo;
  • Formulado especificamente com uma combinação exclusiva de vitaminas, minerais e plantas herbáceas (fatores botânicos);
  • Contém isoflavonas;
  • Protege o sistema circulatório;
  • Ajuda na formação e desenvolvimento dos músculos.
Publicado em Alimentação, bem estar, Dieta, Herbalife, Longevidade, nutrição, Obesidade, saúde | 1 Comentário

ALIMENTAÇÃO, A DIETA DAS 7 CORES E A CRUEL MATEMÁTICA DAS CALORIAS

Alimentação, a Dieta das 7 Cores e a Cruel Matemática das Calorias

NOTA: O presente artigo foi reproduzido do Livro “Você é Que Você Come” do Prof. Dr. Carlos Eduardo Machado, MD, PhD., médico formado pela conceituada Escola Paulista de Medicina UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo), com vários títulos de especialização e doutorado. Professor de Medicina, Titular e Assistente em três Universidades importantes em São Paulo. Scortecci Editora. Um livro muito importante para sua vida e saúde. Recomendo sua compra e leitura na Livraria e Loja Virtual Asabeça – www.asabeca.com.br, ou diretamente pelo site www.doutormachado.gostardeviver.com.br

1. As 7 cores de Sua Dieta

Eu não poderia deixar de mencionar o aclamado livro “Qual é a Cor de sua Dieta – As 7 Cores da Saúde”, do Dr. David Heber, famoso médico da Universidade de Harvard e da UCLA (Universidade em Los Angeles, Califórnia), e que vem sendo adotado nos últimos anos como referencial de modelo básico para a maioria dos serviços de nutrição no mundo todo.
Heber diz em seu livro que “alguns alimentos não deixam a gente parar de comer”. São os alimentos gatilho, como o amendoim, as nozes, queijos, pizzas, molhos prontos para salada, maionese, manteigas e margarinas. Todos são muito perigosos, pois se começamos a comer, parece que não conseguimos parar. E todos esses itens não são tão essenciais para nosso organismo, mas têm um alto valor calórico. Cada pequena porção contém de 100 a 200 calorias. E ninguém come apenas cinco grãos de amendoim. A gente come o saquinho todo, e não para enquanto não acaba tudo. E aí, sem se dar conta, você já ingeriu 1.500 calorias.
Carnes gordurosas, como costelinhas, asas de frango, e inclusive peixes, não são necessidade para seu corpo, portanto, tente substituir esses alimentos por outros mais magros, retirando as gorduras antes de cozinhar. Por exemplo, retire a pele do frango, antes de ir pra panela.
Tente grelhar ou cozinhar, ao invés de fritar.

2. As Bobagens Engordativas e o Mito do Suco Saudável

Somos viciados em comer grãos: arroz, feijão, massas, farinhas, batatas. E se puder, ainda fritamos as batatas. E ao ir a um restaurante, a cestinha de pães, torradas, com manteiga e cremes é a tentação que engorda sem nutrir. Tente pedir para não servirem o couvert antes de sua refeição. Sem perceber, você ingere 500 ou ate 1.000 calorias em bobagens.
Os drinques não são apenas os alcoólicos. Todos pensam que tomar sucos – naturais ou de garrafas ou de caixinhas – é melhor que refrigerantes. Mas todos são drinques. Os valores calóricos de um refrigerante, de uma bebida alcoólica ou de um suco natural ou industrializado se assemelham. E todos vão engordá-lo, sem lhe fornecer muitas vitaminas. E os diet também vão introduzir em seu organismo um monte de tinta, corante, e produtos químicos.
Assim, lembre-se, que precisamos de água, varias vezes ao dia. Água. O resto é drinque.
Frutas foram feitas para ser comidas. Mastigadas, e não bebidas. Sem perceber, você tomou, bebeu algumas laranjas em um suco, mas não ganhou vitaminas da mesma maneira se tivesse comido uma laranja fresca, com o bagaço. Os sucos de frutas parecem que são saudáveis, mas na verdade estamos apenas engordando com eles.
E as bebidas alcoólicas e drinques e aperitivos são ainda mais calóricos, pois contêm vários ingredientes e açúcares. Todos asses alimentos industrializados contêm muito açúcar e muita gordura. Além de inúmeros produtos químicos que nem temos idéia. Foram feitos para que não possamos parar de comer ou de beber. Para viciar. Não da para comer apenas uma batatinha frita, fresca ou de pacote.
Um pacote de salgadinho, desses inúmeros que compramos sem perceber para nossos filhos, contém mais de 1.000 calorias. E é quase tudo o que deveríamos comer durante o dia. Com isto, vamos aumentar nossas gorduras, internas, e depois externas, que vão se evidenciar em nosso corpo, nos incomodando. Ou seja, vamos engordar com bobagens, e aumentar nossas doenças de bobeira.

3. Proteinas de Alta Qualidade

Nosso organismo necessita de proteínas de alta qualidade para ter boa saúde. São os ovos, os queijos magros, o leite desnatado, e as carnes em geral, de frango, de peixes, de porco, de vaca. O importante é a carne magra e sem muitas frituras.
As necessidades de caloria e de proteína são individuais, em função das atividades no dia a dia, do sexo, e da massa corporal.
É muito difícil mudar o metabolismo de uma pessoa, mas quem tem mais massa muscular tem mais músculos, e não somente nos braços e pernas, mas também em outras partes do corpo humano, importantes e silenciosas. Os pulmões dependem muito da musculatura entre as costelas, pois e delas a força para a inspiração e expiração, vitais para todos nós. O coração é apenas um músculo, e não pode ter descanso, nem por alguns segundos. Os intestinos, em seus quase 7 metros de comprimento, possuem uma importante camada muscular.
Se você perde peso, perde massa muscular também. E veja onde você esta perdendo músculos: em todos os órgãos vitais.
E também é a partir das proteínas ingeridas em nossas refeições, que são fabricados os ingredientes do sangue, a parede das células, as proteínas do plasma, os anticorpos, as imunoglobulinas.
Percebeu que proteína é essencial?
E as proteínas de origem animal possuem os aminoácidos essenciais, que não estão presentes nos vegetais e não podem ser fabricados por nosso organismo.
Nos últimos anos muitos estudos científicos vêm mostrando que a quantidade diária de proteína a ser ingerida deve ser um pouco maior do que os valores indicados em estudos do século passado.
Dietas com quantidade adequada de proteína de alta qualidade, magra, acompanhada de vegetais – em especial obedecendo aos preceitos das 7 cores de alimentos defendidos por Heber –, favorecem uma dieta mais saudável.
Os carboidratos são importantes para a oferta de mais valor calórico, bem como as gorduras e açúcares.
Muitas pessoas, que não gostam de carne vermelha, tem a possibilidade de associar ovo, principalmente as claras, queijos magros, em especial brancos, e carnes magras de aves ou peixes. A soja fornece proteína de alta qualidade, quase semelhante a proteína animal.

4. As Vitaminas e as Cores dos Alimentos

As plantas produzem muitas vitaminas e fibras, elementos obrigatórios em nossa dieta diária.
Setenta por cento dos remédios são produzidos a partir de plantas.
As cores das frutas e hortaliças são importantes porque as cores são como famílias de plantas, em que cada família possui alguma vantagem ou vitaminas ou produtos em especial.
São sete as cores ideais para se ter uma boa saúde. Ou seja, devemos comer alimentos naturais e colocar essas sete cores em cada um de nossos pratos, diariamente.
As cores vermelhas, como o tomate, molho de tom ate fresco, são muito importantes para ingerirmos o licopeno, que é um poderoso antioxidante e protetor para doenças cardíacas e câncer de próstata.
A cor vermelho-roxo existente na berinjela, repolho roxo, beterraba, pimentão vermelho, morangos, ameixas e amoras, na uva rubi, contém outros antioxidantes potentes, as antocianinas, que são importantes para a resistência de pele e tendões, fortalecendo nossas articulações, para evitar entorses e quedas a toa, além de deixar nossa pele mais firme.
A cor laranja, encontrada na abóbora, na cenoura, na manga e na laranja, fornece betacaroteno – antioxidante contra o câncer em geral – e contém vitamina A, importante para a visão.
A cor laranja-amarelo do mamão, da laranja, tangerinas, abacaxi, contém muita vitamina C, sendo importante para evitar doenças como o escorbuto, que era muito grave no passado.
A cor amarelo-verde das folhas, verduras, alfaces, couves, vagens, milho, espinafre, pimentão verde e amarelo, ervilhas, e abacate, fornece zeaxantina e luteína, que são utilizados pela nossa retina, e ajudam a proteger nossos olhos de doenças como a catarata.
A cor verde da couve, do brócolis, do repolho, fornece várias substâncias importantes para proteger de cânceres em nosso organismo.
A cor branco-verde é encontrada na cebola, no alho, no cogumelo, no aipo, no aspargo, na pêra, sendo importante para fornecer os ali-sulfetos e a quercetina, que protegem nossos vasos sanguíneos e também tem ação anticancerígena.
Agora, lembre-se: devemos comer essas cores todos os dias, em cada prato de refeição.
E as fibras, que necessitamos em uma dose diária alta, em torno de 25 gramas de fibra? Uma xícara de alface, por exemplo, são algumas folhas picadas num volume que encha tal recipiente, e contém apenas 1 grama de fibras, ou seja, precisamos comer o correspondente a 25 xícaras de verduras par dia, para realmente nutrir nosso corpo com as requeridas fibras. É muita verdura ou fibra para ser comida desde o café da manhã e em todas as refeições do dia.

5. Os Carboidratos e o Gatilho da Fome

Não precisamos tanto de carboidratos, em grandes quantidades, pois sem perceber, comemos o tempo todo grãos, que são os carboidratos, como o arroz, 0 feijão, milho e suas farinhas, trigo e farinhas, mandioca e suas farinhas, batatas em diversas formas. Lembre-se que carboidratos funcionam como combustível para ser queimado assim que for ingerido. Se não queimar, e!e se transforma em açúcar e gordura.
E, se você fritar esses carboidratos, como as batatas fritas, a coisa vai ficar muito pior. No entanto, os carboidratos são importantes para fornecer calorias, por exemplo, para um trabalhador que faz força em grande quantidade: um pedreiro, ou um profissional que gasta energia para valer. Para a maioria das pessoas, cortar ou reduzir os grãos é urna forma simples de evitar acúmulo de calorias.
Não são apenas o arroz, o feijão, o milho, a batata. Os pães em suas diversas formas, as massas e bolachas e biscoitos, os salgadinhos e muitos dos nossos doces ou produtos lácteos industrializados, como iogurtes e requeijões, que hoje contêm carboidratos e farinhas dentro de sua mistura. Ou seja, já não é apenas produto lácteo, é adicionado de farinha e açúcares, além de corantes e produtos químicos que nem imaginamos.
E aí começam as alergias, não sabemos por quê. Há uma epidemia de alergias. Porque os produtos industrializados contêm uma quantidade exagerada de produtos químicos que nem sequer nos damos conta. E quando a alergia aparece, achamos que é culpa do leite. Mas na caixinha de leite ou de leite colorido com outros produtos, existem dezenas de produtos químicos, naturais ou não, que são os verdadeiros venenos ocultos em nossa alimentação diária.
Mas como os carboidratos são tão gostosos, é impossível comer um só.
Parece que os carboidratos, em especial os desenvolvidos pela indústria, têm um efeito incrível de dar mais fome. Pois isso se deve ao fato de alterar nosso metabolismo de glicose, de insulina, e se alteramos nosso metabolismo, nosso corpo fica descontrolado, e esse vício de carboidratos e açúcares parece ser o pior vício, pois é muito mais frequente do que encontrar pessoas viciadas em outros produtos químicos modernos.
Este gatilho da fome, provocado pelos doces, salgadinhos, amendoins, etc. é o problema da atualidade. Como é que alguém pode emagrecer, se está cercado de tentação, de alimentos errados, de gatilho da fome?

Publicado em Alimentação, bem estar, Cérebro, Dieta, Longevidade, nutrição, Obesidade, saúde | Deixe um comentário

POR QUE ENGORDAMOS?

Por que Engordamos?

NOTA: O presente artigo foi reproduzido do Livro “Você é Que Você Come” do Prof. Dr. Carlos Eduardo Machado, MD, PhD., médico formado pela conceituada Escola Paulista de Medicina UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo), com vários títulos de especialização e doutorado. Professor de Medicina, Titular e Assistente em três Universidades importantes em São Paulo. Scortecci Editora. Um livro muito importante para sua vida e saúde. Recomendo sua compra e leitura na Livraria e Loja Virtual Asabeça – www.asabeca.com.br, ou diretamente pelo site www.doutormachado.gostardeviver.com.br

Uma pequena historia ocorrida no Xingu:
Trinta anos atrás, no ano de 1981, eu estava indo para a Floresta Amazônica, no Parque Nacional do Xingu, em um pequeno avião Seneca II (parece um pequeno fusca de seis lugares, e que voa), e visualizando os rios maravilhosos da Amazônia e suas curvas “sem praias”, e a floresta quase que invadindo as águas dos rios. De repente, uma abertura de terra naquele tapete de floresta, e o piloto começa a descer. Do alto, da pra se ver que esse tapete de floresta, que parecia uma grama vista do céu, totalmente fechado, na realidade é formado por árvores gigantes, da altura de vários andares, e a pequena pista de pouso é apenas uma pequena clareira aberta para descerem esses aviões da FUNAI.
Mal o avião reduz a velocidade após descer, e dezenas de índios, homens, mulheres e crianças correm ao nosso encontro. São homens fortes, musculosos, quase que saídos de uma academia de musculação. Todos, adultos e crianças, com aspecto incrivelmente saudável, fortes, atléticos. São os índios da tribo Txucarramães, do Parque Nacional do Xingu, ainda com muito pouco contato com o branco e sem os defeitos da civilização.
Naquela época, os irmãos Villas-Boas, Cláudio e Orlando, eram os principais homens a descobrir e contatar os índios da Amazônia. E em serviço médico pela “UNIFESP¬-EPM” (Universidade Federal de São Paulo – Escola Paulista de Medicina), pude, como profissional, permanecer algumas semanas prestando atendimento médico e conhecendo de perto a verdadeira civilização indígena brasileira.
Cada uma de suas tribos com dialetos diferentes, com grau de desenvolvimento muito variado. Mas eram os índios que, em sua natureza real, por milhares ou centenas de anos, dominaram as terras brasileiras. Mas, ao final do ano de 2009, em um programa especial de TV, uma reportagem muito bem feita revelou as mudanças ocorridas naquela aldeia que conheci há trinta anos.
o repórter mostrou muito do que foi e do que é hoje a vida dos índios, mas as câmeras da TV captaram algo muito mais visível: boa parte ou a maioria dos homens e mulheres estavam obesos ou acima do peso. As crianças também não tinham a mesma fisionomia esbelta. Já dispunham de eletricidade (por gerador), TV e antena parabólica, computador e acesso a internet. E obvio, aprenderam a comer sal na comida – que não existia na floresta, sendo trazido pelo homem branco –, e a gostar das guloseimas: doces, bolachas, biscoitos, sorvetes. Em resumo, a epidemia do século atingiu a floresta e seus descendentes.

Como Engordar Facilmente

Imagine qual deve ser a quantidade de calorias para seu carpo, por dia.
Se você é mulher e tem uma estatura mediana, vai precisar de umas 1800 kcal por dia. E se for homem, vamos sugerir 2200 kcal/dia.
Urn lanche de fast-food, com batatas fritas e refrigerante
pode conter mais de 1.500 kcal. Mas isso foi apenas o almoço ¬ou lanche da tarde! Você comeu e bebeu algo no café da manhã, almoçou, jantou, e comeu umas bugigangas, que, com certeza, não chama de comida. Mas lembre-se que qualquer coisa que você coloque na sua boca e combustível que vai ser usado por seu corpo. Bom ou ruim, vai ser usado de alguma forma, ou vai ser guardado sob a forma de gorduras, na barriga, nas coxas, no rosto, e dentro de seu coração, rins, fígado, artérias.
Bom, vamos fazer contas: Se você comer a mais por dia apenas 100 kcal (calorias), acumulará no período de um ano, 3.500 calorias, que vão ficar depositadas na forma de gordura dentro de seu abdome, no fígado, no coração, ou seja, em todo seu corpo. Vai ganhar, em média, 5 kg por ano.
Em geral, engordamos 10 Kg depois da vida adulta, principalmente depois do casamento, durante a faculdade, ou após os 30 anos.
Qual o motivo de engordarmos tão facilmente?
O mais evidente é uma questão matemática simples: o fato de colocarmos mais calorias do que vamos queimar, a cada dia.
Se com três pedaços de pizza e um refrigerante ou uma cerveja já podemos estar ingerindo mais de 1.000 ou 1.500 calorias (e com isso já estamos perto da necessidade calórica diária), tudo o que passar disso vai se transformar em gorduras depositadas dentro de nós. E se a gordura já puder ser vista, em nosso pneuzinho, nas celulites, não precisamos nem imaginar como é que estará por dentro de nós.
E uma dieta com alimentos de má qualidade, sem alimentos de verdade, engorda, e não nutre nosso organismo. Vamos estar gordinhos e desnutridos. Com desnutrição de vitaminas, vitamina A, 8, C, D, E, K, etc., sais minerais, oligoelementos, aminoácidos essenciais, fibras.
Gordinhos com anemia. Gordinhos com deficiências, que podem facilitar a entrada de vírus, bactérias, fungos em nosso organismo e realizar um ataque fatal.
A Gripe A, a famosa gripe suína, ataca principalmente pessoas jovens e obesas, e mulheres grávidas. E o que é uma mulher grávida? É uma mulher jovem, com peso acima do esperado.
Mas por que o vírus da Gripe A prefere jovens, obesos, grávidas? Será que esses jovens tem alguma deficiência vitamínica que abre as portas do sistema de defesa de seus organismos, facilitando o ataque dos vírus?
Por que esses novos vírus não atacam tanto os idosos, que, na prática, são mais suscetíveis a doenças infecciosas, pois já esgotaram suas máquinas e seu sistema de defesa? Bem, primeiramente, as pessoas mais idosas comem melhor. Comem mais alimentos vegetais, verduras, legumes, frutas frescas, e não são muito adeptos de bobagens, guloseimas, doces industrializados, produtos com rótulos. As pessoas mais idosas compram e comem alimentos frescos. Com isso, consumem no seu dia a dia, comida de verdade, ficando longe de alimentos industrializados, ingerindo poucos produtos químicos, corantes, agentes nocivos dos quais ainda nem temos conhecimento por completo.
Talvez, por isso, os idosos não estejam sofrendo tanto com essa nova gripe, mas os jovens e gordinhos devem ter alguma deficiência do sistema de defesa imunológico, que pode estar relacionada com sua alimentação fraca, incompleta, perigosa.
O quanto comemos durante toda nossa vida e um grande susto para a maioria das pessoas.
Pense que, em media, estaremos vivendo 78 anos, e nesse período, iremos comer um total de 5 vacas, 15 porcos, 1.200 frangos, 15 mil ovos, 7 mil maçãs, 40 mil pãezinhos, 10 mil barras de chocolate e 50 mil Kg de alimentos baratos, de baixa qualidade (bolachas, biscoitos, bolos, doces, salgadinhos, bobagens, “bobagitos”). Serão também 15 mil fatias de pizza.
E para o uso pessoal dos recém-nascidos, serão necessários 5 mil fraldas descartáveis por bebê. As mulheres irão despejar em média 11 mil absorventes íntimos no lixo. Finalmente, iremos encher 2 containers, ou seja, 40 mil Kg de lixo, por pessoa, durante nossas vidas.
Neste período iremos urinar 60 mil litros, e eliminar 61 litros de lágrimas.
Passaremos 10 anos sentados na frente da TV e, se habitantes de uma metrópole, ficaremos uma média de mil horas/ano dentro do carro, por causa do trânsito, o que corresponde a 4 ou até 5 meses de trabalho (200 a 220 horas por mês) circulando nas vias públicas, indo e voltando para casa.

Driblando a Fome

Quando nosso estômago está vazio, produz ácidos e hormônios que falam para o cérebro que estamos com fome. Ao comermos, precisamos informar ao cérebro o que estamos digerindo, e isso começa com a mastigação lenta, para dar tempo de a informação chegar ao cérebro, para ele devolver a ordem de saciedade, para pararmos de comer.
Logo, precisamos comer mais devagar.
Todo alimento que ingerimos vai para o estômago, mas deveria ter sido muito bem mastigado, para que o cérebro receba a informação de sabor, gosto, tempero, e vá se adaptando para a saciedade, ou seja, fique satisfeito para não pedir mais comida.
Se você não mastiga direito, a boca não faz o serviço para a qual foi feita, e o cérebro nem sabe o que entrou; não tem tempo de saborear e de aproveitar bem os prazeres do alimento.
Os alimentos com proteínas e alguma gordura são os que possuem digestão mais lenta, e logo produzem saciedade por mais tempo. Verduras, legumes, açúcares e carboidratos são rapidamente absorvidos e dão fome em pouco tempo.
Mas os legumes e verduras têm uma função extremamente importante, pois contêm vitaminas, sais minerais e fibras. E comer uma boa salada com vegetais crus ou levemente cozidos, pedaços de queijo fresco ou tofu, temperados com vinagre ou limão, pouco sal, pimentas, temperos de ervas e uma quantidade de azeite de boa origem, vão ajudar a digestão e saciar mais a fome devido a presença da boa gordura e da proteína animal do queijo magro. Esse é um prato de salada perfeito, nutritivo, saboroso, saudável. Um alimento de verdade. Devido à proteína e à gordura de boa qualidade, ficamos sem fome por mais tempo.

Manter-se Magro: Um Desafio

O problema das dietas de emagrecimento e por que é tão difícil a ciência resolver isso reside no fato de que, afinal, cada um de nós é um ser único, tanto pela genética como pela bioquímica interna.
Para ajudar a compreender melhor seu corpo, seu organismo, para emagrecer e ter mais saúde, é importante saber alguns princípios sobre como seu organismo funciona, seu metabolismo, seu apetite, a hormônio da tireóide, o fígado, os rins, o estresse, a inflamação, os radicais livres e a oxidação das células, os exercícios físicos. Você precisa entender sua máquina, saber como ela funciona, como usar seu corpo melhor – assim como aprende a usar um carro, um computador, para durar mais e melhor. Como fazer seu corpo queimar mais combustível, mais gorduras, e perder peso de modo saudável? E como perder peso de modo permanente?
Dar bronca ou sermões para os gordinhos ou pessoas acima do peso não vai adiantar nada. Dietas milagrosas ou soluções fáceis com remédios proibidos ou malucos, ou cirurgias milagrosas não vão resolver – e não resolvem.
Estamos diante de um problema de saúde mundial: a obesidade. Ela não é apenas um problema de gula exagerada, de falta de vontade, de preguiça; é algo mais complexo, que envolve muita coisa em nosso corpo: a genética, o metabolismo, a atividade física, a constituição do organismo e, por fim, o mercado e a indústria de alimentos.
Num passado mais remoto, se dava aquela fominha, no meio da tarde ou no início da noite, não existia geladeira, nem despensa, nem disk pizza, nem lanches rápidos, nem trios prontos, nem sopa ou macarrão instantâneo. Tinha de sair pra fora da caverna e ir caçar, ou procurar uma árvore frutífera (e com frutas), e ainda subir nela para poder colher a fruta. Achar o alimento, caçar ou pescar. E preparar. Não tinha nada na geladeira ou na cozinha.
Nossos genes têm ainda essa informação, ou seja: “Vamos passar fome a maioria’ dos dias de nossa vida; portanto, e importante fazer reservas”.
E como nosso organismo faz reservas de energia? As gorduras contêm 9 kcal por grama, os açúcares contêm 6 kcal por grama, os carboidratos e as proteínas também contem 6 kcal. Ou seja, tudo o que comemos e transformado em depósito de gorduras em questão de poucas horas após ser ingerido, se não for utilizado ou queimado pela atividade física imediata.
Nossa máquina é capaz de fazer reservas maravilhosas para os momentos de falta de comida. Isso vem acontecendo desde o início da história do homem, nas cavernas, na antiguidade, há dezenas de milhares de anos.
E porque agora temos geladeira, despensa, supermercados, disk pizza, etc. não há como informar aos nossos genes para não fazer reservas de gorduras. Se comermos e não queimarmos ou usarmos o alimento de imediato, nosso corpo vai fazer armazenamento automático.
Hoje, esse grave problema da obesidade afeta milhões de pessoas e crianças em todo o mundo, mesmo em países mais pobres.
Infelizmente, os profissionais da área da saúde, os governos, a indústria de alimentos ainda não acharam um caminho simples para ajudar a todas essas famílias, onde sempre tem alguém sofrendo de excesso de peso.
E suas consequências estão evidentes: hipertensão arterial, diabetes, doenças ósseas, infartos, derrames, insuficiência renal.
Como achar a solução ideal para a população em geral?
Se aceleramos demais, corremos muito com nosso automóvel, gastamos mais combustível. Isto é patente nos aviões, que saem com uma quantidade bem definida de combustível, e não podem sair da rota, nem pegar muitos ventos contrários ou aumentar sua velocidade para chegar mais cedo ao destino, pois vão gastar mais combustível e ter problemas com isso.
Mas como fazer nosso organismo gastar mais combustível, principalmente aquele que está estocado em nossos depósitos de gordurinhas pelo corpo todo, inclusive dentro de nossos orgãos vitais, em silêncio, entup indo nossa tubulação, nossas artérias no cérebro, no coração, nos rins?
E as pessoas continuam lutando para emagrecer. Não existe um comprimido mágico para isto. Como perder 5 kg por mês, para atingir o peso ideal?
Como fazer nosso DNA entender que precisa.queimar mais as gorduras depositadas, sem grande função nos dias de hoje?
Este número absurdo, elevado de casos de obesidade, doenças e de câncer, não esta sendo resolvido.
Qual o caminho para a saúde, a boa forma, a manutenção do peso ideal para a vida toda? As pessoas que fazem algum tipo de regime ou usam alguma droga para emagrecer, voltam a engordar em pouco tempo. É a gangorra do peso. O sistema serrote. Emagrecem e recuperam o peso, algumas vezes ainda mais do que pesavam antes.
Como viver sem deixar de comer o que se gosta, sem deixar de ter uma vida social agradável, incluindo suas guloseimas, sem deixar de comer carnes, gorduras e todos os carboidratos que o mercado oferece?
Hoje em dia, a oferta de comida está disponível até de madrugada, em qualquer posto de gasolina, nas lojas de conveniências. Nas noitadas, nos restaurantes, tudo é fácil. Comer é fácil.
Mas comer coisas boas para nosso corpo, isto é mais chato.
O alimento, quando bem mastigado, ao chegar ao estômago, vai se misturar ao suco gástrico, de ácido clorídrico, para ser preparado para os intestinos, o delgado e o grosso. Sem isso, o alimento não vai ser bem aproveitado, e o estômago terá muito mais trabalho.
Nosso trato digestivo envolve a participação de dezenas de hormônios e de várias glândulas, desde as salivares, a tireóide, o fígado, o pâncreas, os rins, e o cérebro. Todo nosso organismo participa da digestão.
Mas se não fazemos as refeições frequentes e corretas, se a correria do dia a dia, a falta de atividade física são coisas rotineiras, como é que nosso corpo vai se adaptar a este mundo moderno? Ele continua fazendo reservas de gorduras. Gorduras a partir de tudo que comemos.
Logo, aprender como cuidar melhor de seu corpo, de si próprio, é a base para sua saúde, enquanto você estiver vivo.
Assim, vamos ver como mudar a sua vida para sempre. Com saúde e com menor risco de doenças em geral e do envelhecimento:
Não vamos ficar focando as doenças em si, mas refletir sempre por que elas ocorrem, e tratar aquilo que as provoca.

A Fome Oculta e a Importância dos Músculos

Não existe nada milagroso, nenhum comprimido mágico. Fechar a boca não vai emagrecer; vai dar mais fome. Além de poder piorar ainda mais o desequilíbrio do excesso de peso. Ninguém gosta de estar gordinho, de ter celulite, de ser ofendido quando o chamam de obeso.
Se você não comer, seu organismo vai funcionar historicamente, desde a época das cavernas, e vai reduzir a queima de combustível, e fazer aumentar sua reserva de gordura. É lógico.
Ficar sem comer aumenta o sistema de defesa de seu metabolismo. Portanto, lembre-se sempre: passar fome, demorar para oferecer ao seu organismo algum bom alimento, equilibrado, com varias cores de vegetais, vai estimular você a ficar gordo.
Não pense também que comer menos e fazer exercícios todo dia vai adiantar. Exercícios todos os dias são ótimos para seus ossos, seus músculos, seu coração, suas artérias, além de baixar suas gorduras, seu colesterol, etc. e, com certeza, ainda ajudará a sua saúde, hoje e no futuro. Mas fazer exercícios da fome. Suas células, seus músculos estarão morrendo de fome depois dos treinos. Se você oferecer alimentos com muito carboidrato, muito açúcar, o que vai ocorrer é que seus músculos usarão isso como alimento principal.
Se após os exercícios você ingerir mais alimentos protéicos, em especial alimentos protéicos de alta qualidade, com baixo valor calórico, seus músculos vão se fortalecer mais, ao invés de ficarem mais adoçados pelos doces, açúcares e carboidratos – que é o que geralmente fazemos.
Além disso, se você passar fome, quando for comer, vai fazer isso muito mais rápido, sem respeitar a função de mastigar bem os alimentos, e nem vai perceber o que comeu. Nem quanto consumiu. E geralmente consome muito, sem notar.
Portanto, nunca fique com fome. Em contrapartida, coma sempre alimentos que contenham todos os ingredientes necessários para a fabricação de suas células, ossos, unhas, cabelo, músculos; ou seja, não pode faltar nada em sua fabrica.
Na fabricação de aparelhos de telefone celular, se faltar uma tecla de número 9, por exemplo, os aparelhos com esse defeito serão descartados. Ou seja, células defeituosas. Um câncer pode começar assim.
Se não pode passar fome, lembre-se sempre de comer nos horários bem definidos, mas com alimentos completos a cada vez.
Nossas células não param de trabalhar, nem mesmo enquanto dormimos.
Se falta Um elemento nutricional, um nutriente qualquer, das centenas de nutrientes, vitaminas, sais minerais, proteínas, aminoácidos que precisamos ingerir em cada refeição, nosso cérebro informa que existe deficiência deste elemento. Sentimos fome. Mas fome de que? Nosso estômago não sabe onde achar esse elemento faltante.
Assim, vamos até a geladeira ou despensa e comemos algo. Mas não tem o nutriente que faltava. E o cérebro avisa de novo: “estou com fome”. Como não existe um pedido bem claro do que falta, manifesta-se esse estado fisiológico chamado “fome oculta”: Tenho fome, mas não sei do que.
E a refeição mais importante é o café da manhã. Deve ser a refeição de um rei. Em qualidade de alimentos, em equilíbrio de todos os nutrientes e elementos essenciais para nossas células.
Não se pode sair de carro sem combustível. Não se faz uma fábrica funcionar bem sem todo o estoque de peças em boa quantidade, ao iniciar a produção.
Se não comermos bem, vamos comer coisinhas, beliscar algo e, sem perceber, comeremos muita coisa inútil, sem valor nutricional, mas com alto valor calórico. Vamos engordar e ficar desnutridos. Gordinhos com anemia, como já mencionei que ocorre hoje com muitas crianças.
Se você emagrecer, geralmente perde músculos junto com as gorduras, mas ao engordar, o que ocorre é que engorda quase que só com gorduras.
E aí começa a desnutrição muscular, protéica, que é um dos fatos que ajuda os idosos a terem tanta desnutrição de músculos. São obesos ou tem sobrepeso, mas com muito pouca massa muscular. Se tem poucos músculos, tem pouca defesa para respirar bem, ou tossir para eliminar infecções respiratórias, ou mesmo curar uma simples gripe, e com frequência morrem por pneumonias ou coisas semelhantes. Tinham poucos músculos para ajudá-los a se defenderem.
Quando engordar, lembre-se: as gorduras não gastam muita energia. Não consomem muitas calorias. Ou seja, ajudam a engordar, pois vai sobrar alimento que não foi queimado.
Quando exercitamos, e comemos corretamente, fabricamos mais músculos, e músculos consomem muita energia. E ajudam a consumir calorias, ou seja, ajudam a emagrecer.
“Eu não comi nada, não sei por que engordei” – Já ouviu isto?
Portanto, não fique sem comer. Apenas corrija seus alimentos.

Os Substitutos de Refeição

O Dr. David Heber, médico da Harvard, que é o diretor do centro de nutrição humana na UCLA – Universidade da Califórnia, indica um substituto de refeição como a forma mais simples de corrigir nossos erros alimentares, e considera que o café da manha deve ser a principal refeição em qualidade, do nosso dia.
O substituto de refeição, bem preparado e balanceado, é uma maneira muito fácil de melhorar sua forma física. Constitui-se em uma estratégia para uma manutenção de uma dieta mais saudável por mais tempo para todos nós, através do qual podemos inclusive melhorar nosso peso e reduzir nosso depósito de lixo interno.
Mas é preciso que suas compras de mercado obedeçam uma lógica mais saudável: comece comprando verduras e legumes frescos, frutas digestivas, que ajudam o seu intestino a trabalhar, como mamão, laranja, ameixa.
Evite comprar enlatados, sucos de trutas industrializados, amendoim e nozes, e óleos em geral, maioneses, doces, e os carboidratos em geral “em especial as bolachas e salgadinhos”.
Lembre-se que dois pedaços de pizza e um refrigerante ou uma cerveja contêm em torno de 1.500 calorias; dois churros também podem chegar a isso; um cheeseburger, batatas fritas e um refrigerante também passam de 1.500 calorias. E 1.500 calorias são o que a maioria das pessoas deveriam comer durante as 24 horas do dia.
É óbvio que os trabalhadores braçais, que demandam grande esforço físico durante o dia, precisam do dobro dessa ingestão calórica para realizar suas atividades diárias. Mas para a maioria das pessoas, é prudente uma dieta com menos de 2 mil calorias para não acumular gorduras.
Se você não é um pedreiro, não deve comer como um.
Hoje existem várias marcas de refeições em pó, com proteínas de qualidade variável. Assim, usar um substituto de refeição em pó, além de facilitar suas refeições, poderá ser muito útil em sua correão alimentar, reparando suas necessidades nutricionais.
Estudos médicos nos últimos 50 anos têm mostrado que não estamos consumindo diariamente quantidades adequadas de vitaminas, como ácido fólico, zinco, magnésio, cálcio. A falta de acido fólico nas mulheres grávidas, por exemplo, provoca defeitos graves nos recém-nascidos. Deficiências de cálcio e de vitamina D causam osteoporose, ou seja, envelhecimento precoce dos ossos.
A suplementação de vitaminas não substitui a dieta saudável, bem balanceada, natural. Mas a suplementação de fibras, de vitaminas, de oligoelementos minerais, de ômegas 3 e 6 são importantes para a sua qualidade de vida no futuro e na velhice. Além de auxiliar em sua saúde hoje, reduzira seus problemas lá na frente.
Os ministérios de saúde nos países de Primeiro Mundo atuam de maneira ativa para a melhoria da qualidade de produtos suplementares para as refeições, e isso facilita muito a escolha de fabricantes mais qualificados e com controle da qualidade de seus produtos.

Publicado em Alimentação, bem estar, Longevidade, nutrição, Obesidade, saúde | Deixe um comentário

Sal, Açúcar e Outros Ingredientes do Dia-a-Dia

Sal, açúcar e outros ingredientes do dia-a-dia

Alguns ingredientes são tão presentes no cardápio diário que passam despercebidos. Mas o hábito de colocar umas pitadas de sal a mais na comida, duas colherzinhas de açúcar no café ou caprichar nos temperos industrializados para garantir um sabor extra às receitas pode, com o tempo, causar problemas como hipertensão, diabetes e obesidade.

Para garantir a saúde, o importante é consumir os ingredientes do dia-a-dia na medida certa. Sempre que possível, é importante substituir produtos industrializados por naturais. “Quanto menos componentes artificiais mais saudável será a alimentação”, recomenda Rosana Cardoso, nutricionista do Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE).

Confira as características dos principais ingredientes que fazem parte do cardápio diário:

Sal

Já foi largamente utilizado para preservar alimentos perecíveis quando ainda não existia geladeira. Hoje, ainda é muito usado em alimentos industrializados, tais como: embutidos (salames, lingüiças, salsichas), carnes salgadas, enlatados, conservas como picles, molhos e condimentados (mostardas, molhos a base de soja, pimenta, ketchup), queijos amarelos, sopas e temperos do tipo concentrados em cubinhos.

É grande fonte de sódio – mineral indispensável para o organismo, presente em boa parte dos alimentos. Vale lembrar que sódio e sal não são sinônimos, como muitos acreditam. O sódio é um dos componentes do sal.

Nos rótulos, é apresentada a quantidade de sódio e não de sal, o que merece uma atenção a mais do consumidor. “Cada cinco gramas de sal – o equivalente a cerca de meia colher de sopa – contêm aproximadamente dois gramas de sódio” afirma a nutricionista. A quantidade diária recomendada para o consumo é de quatro a seis gramas de sal.

Benefícios

O sal é necessário porque ajuda a manter em equilíbrio os fluídos do organismo, além de realizar a transmissão dos impulsos nervosos.

Pontos negativos

O consumo de sal é importante, mas sem exagero – principalmente quando responsável por alterações da pressão sanguínea (que depende de fatores físicos e genéticos), como a hipertensão.

Outro mineral presente no sal, o iodo é um micronutriente essencial para o ser humano. Ele é utilizado na síntese dos hormônios tireoidianos – produzidos pela tireóide, glândula que se localiza na base frontal do pescoço –, a triiodotironina e a tiroxina.
Esses hormônios têm dois importantes papéis:

  • Ação no crescimento físico e neurológico.
  • Manutenção do fluxo normal de energia (metabolismo basal, principalmente na manutenção do calor do corpo).

Se consumido em quantidades excessivas, o iodo pode causar uma doença conhecida como tireoidite de Hashimoto (em pessoas com predisposição genética a doenças auto-imunes). Para prevenir o problema a Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa) reduziu a quantidade máxima de iodo permitida no sal.

Açúcar

Fonte de energia, esse carboidrato simples é encontrado nos alimentos in natura, como frutas e leite. Entretanto, as fontes mais abundantes são os produtos industrializados, entre os quais biscoitos, chocolates, balas e refrigerantes.

A recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) é de que o consumo do açúcar não ultrapasse 10% das calorias na dieta. Por exemplo: um adulto que consome 2500 calorias por dia não deve ultrapassar 250 cal/dia de açúcar. Cada grama do carboidrato contém quatro calorias; logo, o consumo de açúcar deveria ser no máximo de 62,5g que corresponde, em medidas caseiras, a cerca de ½ xícara de chá de açúcar refinado.

Benefícios

Contém substâncias que estimulam o cérebro a produzir serotonina, neurotransmissor responsável pela sensação de bem-estar e prazer.

Pontos negativos

Rico em calorias e pobre em nutrientes, motivos pelos quais devemos restringir ainda mais seu consumo. O excesso é a causa de uma série de problemas, muito além das cáries. A obesidade já é considerada uma questão de saúde pública, tamanha a quantidade de pessoas que sofrem da doença.

O índice de crianças e adolescentes obesos aumentou 240% no Brasil nos últimos 20 anos. Segundo uma pesquisa realizada pela Força Tarefa Latino-Americana de Obesidade (entidade que reúne as principais sociedades de combate ao excesso de peso na região), hoje há 70 milhões de pessoas acima do peso na América Latina. O problema é causado, entre outras coisas, pelo excesso de preparações e alimentos gordurosos, o consumo excessivo de doces e refrigerantes.

Outro ponto negativo é a sobrecarga no pâncreas para produção de insulina (o pâncreas é órgão responsável pela produção de insulina), que mantém os níveis de glicose controlados no sangue. Essa deficiência pode levar ao diabetes tipo 2.

O aumento do nível de triglicérides também é um ponto negativo a ser considerado, pois o consumo exagerado do açúcar pode contribuir na elevação no nível de triglicérides, gordura perigosa, que ao se acumular pode obstruir as artérias. O resultado pode ser a maior chance de desenvolver doenças cardiovasculares.

Temperos industrializados

Os temperos frescos e os preparados em casa são sempre a melhor opção para quem preza não só o sabor, mas principalmente a saúde

São práticos e eficazes quando se trata de dar sabor aos alimentos. No entanto, as qualidades desses auxiliares na cozinha param por aí. Por trás da praticidade existem características que tiram seus méritos. Os temperos frescos e os preparados em casa são sempre a melhor opção para quem preza não só o sabor, mas principalmente a saúde.

Benefícios

Com o aumento no interesse pela gastronomia, o mercado de temperos industrializados cresce a cada dia. A grande diversidade de produtos disponíveis permite combinações criativas e saborosas. O importante é não tornar esses temperos parte do cardápio diário.

Pontos negativos

A lista é extensa: catchup, mostarda, molho inglês, de soja, de pimenta, para churrasco e temperos concentrados à base de carne, galinha e legumes encontrados em cubo, pó ou líquido apresentam quantidades elevadas de sal, sódio, gorduras e substâncias que irritam o sistema digestivo.

Hipertensos devem ficar longe desse tipo de tempero, que também deve ser restrito para quem tem enxaqueca, gastrite, úlcera gástrica, diabetes, dificuldade de digestão e intolerância a corantes.

Óleos

São compostos por lipídios e gorduras e podem ser encontrados em alimentos de origem animal, como os peixes, e vegetal, como milho, soja, entre outros.

Os óleos se dividem em dois grupos, que grosseiramente podemos chamar de bons (as gorduras insaturadas) e ruins (as gorduras saturadas).

Gorduras Insaturadas (monoinsaturadas e poliinsaturadas)

Aumentam o HDL-colesterol – o “bom colesterol”, responsável por conduzir o colesterol para fora das artérias e, dessa forma, impedir seu acúmulo e prevenir problemas cardiovasculares.

São encontradas nos óleos de oliva, canola, açafrão, girassol, soja e milho, além de estarem presentes no amendoim, castanha de caju, avelã, azeitona, abacate e peixes como salmão, atum, cavala, truta, sardinha e arenque.

Gorduras saturadas

Estudos indicam que essas gorduras aumentam os níveis de colesterol ruim, o LDL. Se consumidas em excesso, promovem o acúmulo de colesterol nas paredes das artérias, a chamada aterosclerose, que aumenta a possibilidade de doenças cardíacas e neurológicas.

São encontradas em alimentos de origem animal, como leite integral e derivados e gorduras da carne. A gordura contida no coco também é saturada.

Benefícios

Não podem faltar na dieta porque, além de fornecerem ácidos graxos essenciais, são imprescindíveis para a absorção das vitaminas A, D, E e K, chamadas de lipossolúveis.

Ponto negativo

No caso das gorduras saturadas, o excesso é altamente prejudicial à saúde, pois colabora para o acúmulo de gordura nas artérias, o que aumenta os riscos de aterosclerose.

Publicada em janeiro/2007 no site ALBERT EINSTEIN – SOCIEDADE BENEFICENTE ISRAELITA BRASILEIRA – NUTRIÇÃO cujo endereço é http://www.hiae.br/espaco-saude/nutricao/Paginas/sal-acucar-temperos-e-oleos.aspx

Publicado em Açúcar, Alimentação, Hipertensão, Longevidade, nutrição, saúde, Sódio | Deixe um comentário

EMAGREÇA SEM CONTAR CALORIAS

Emagreça Sem Contar Calorias

Matéria de capa da Revista VIVA de agosto de 2010

Por Belisa Rotondi

O segredo é apostar numa alimentação rica em proteínas: você come o quanto quiser, queima a gordura acumulada e perde 3kg já na primeira semana

Quer emagrecer ser contar porções por refeição? Experimente a dieta hiperproteica! Rica em proteínas e gorduras (carnes e derivados do leite), ela modifica o metabolismo e diminui a fome – entenda como no quadro abaixo. E o melhor: como os carboidratos, responsáveis pelo acúmulo de gorduras no corpo, estão fora do cardápio, você pode comer a vontade e continuar emagrecendo! Tanto que perde até 3 kg já na primeira semana!

Transcrição do quadro

Como funciona este milagre?

Entenda como a proteína dos alimentos leva o organismo a queimar toda a gordura acumulada, acelerando a perda de peso. E mais: o porque do método permitir comer o quanto quiser!

1. O Segredo

Para emagrecer rápido – até 3kg já na primeira semana –, pare de comer carboidratos. Ficam proibidos nas suas refeições massas, pães, arroz, legumes, frutas e doces. Sua alimentação se tornará, então, rica em proteínas (carnes e derivados do leite), modificando o seu metabolismo (veja a seguir).

2. Xô Reservas

“Quando ingerimos carboidratos, a glicose do sangue aumenta e há liberação do hormônio insulina, que estimula a formação de reservas energéticas do corpo”, diz Nathalia Antiqueira Assunção, nutricionista da Clínica Dagoberto Perez. Então, sem esse estímulo (ou seja, sem carboidratos), seu organismo é forçado a utilizar as reservas de gordura que tem para conseguir energia. E…”tcharam”… eis que você perde peso – e justamente naquelas partes que mais incomodam! “Se houver acúmulo de gordura abdominal, por exemplo, haverá diminuição nesta área e assim por diante”, garante Nathalia.

3. O Poderoso Papel da Proteína

Os alimentos que fornecem essa substância (como carnes, queijos, iogurte e leite), têm como principal função ajudar na construção das células e dos tecidos do corpo humano. Só que, em uma dieta sem fontes de carboidrato (que dão energia), os alimentos protéicos assumem também tal responsabilidade. “Isso porque a proteína possui o mesmo valor energético do carboidrato, mas não age no aumento da glicose do sangue”, explica a nutricionista Nathalia Antiqueira. Ou seja, ela evita a formação de gordura localizada!

4. Só vale por 15 dias

Mas, atenção: seguir o método por apenas 15 dias é o ideal, uma vez que a dieta, a longo prazo, pode trazer deficiência de vitaminas, minerais e fibras ao organismo. Outro problemas: ela é rica em gordura. Por isso, se você tem problemas cardiovasculares , hipertensão, doenças renais ou taxa de colesterol alta, não siga esta alimentação.

5. Após 15 dias…

Na primeira semana ao final da dieta, volte a comer frutas e legumes (uma porção de cada) no almoço e no jantar. Na semana seguinte, acrescente o pão no café da manhã. Na próxima, inclua o arroz, o feijão e o macarrão nas refeições principais.

O Cardápio Infalível

A nutricionista Nathalia Antiqueira Assunção, da Clínica Dagoberto Perez criou um modelo de alimentação para você seguir durante os 15 dias.

Lembre-se você pode comer o quanto quiser – mas deve deixar de lado qualquer carboidrato, inclusive o açúcar!

Café da manhã

         . Iogurte natural

         . Queijo minas frescal

Lanche da manhã

         . Fatias de peito de peru defumado 

Almoço

         . Salada de folhas 

         . Omelete feito com queijo e presunto 

         . Gelatina deit sabor uva 

Lanche da tarde

         . Café com leite sem açúcar 

         . Fatias de queijo mussarela 

Jantar

         . Salada de folhas

         . Filés de peito de frango assado

         . Gelatina diet sabor morango

Ceia

         . Chá sem açúcar

Adapte as refeições

Siga as instruções para aprender a modificar a sugestão de dieta de um dia e segui-la por 15 dias sem sofrimento!

Para montar a alimentação, uma alternativa é pensar nas refeições que fará durante o dia e encaixar as opções:

. Café da manhã / Lanche da manhã / Lanche da tarde / Ceia

Procure comer laticínios, como queijos, leite e iogurtes (sem açúcar), e frios, como peito de peru, presunto e mortadela.

. Almoço / Jantar

Invista nas saladas de folhas verdes acompanhadas de carne vermelha, branca ou de ovos.

. Sobremesa

Não caia na tentação de comer doces, pois eles são ótimas fontes de carboidrato – assim como todas as frutas. A opção indicada pela nutricionista é a gelatina diet.

Este doce é liberado

Como o açúcar é fonte de carboidrato, adoce as bebidas apenas com adoçante.

Matéria transcrita exatamente como está na reportagem vide figuras abaixo.

Veja meus comentários após as figuras das páginas da reportagem.

A matéria é muito importante e ajudará muitas pessoas a atingir o seu objetivo de eliminar peso.

Uma dieta muito radical como a hiperprotéica pode criar problemas para algumas pessoas como a própria matéria menciona pode trazer deficiência de vitaminas, minerais e fibras ao organismo e também por ser rica em gordura pode agravar os problemas cardiovasculares, hipertensão, doenças renais ou taxa de colesterol alta. Em vista disso, como a própria matéria sugere não siga a dieta por mais de 15 dias.

Como então adequar a dieta para suprir a necessidade de vitaminas, minerais e fibras e também diminuir o teor de gordura de tal forma que qualquer pessoa possa seguir a dieta e não seja necessário fazê-la por um máximo de 15 dias.

Primeiramente, evite usar adoçantes a base de aspartame e clicamatos. Use o Linea que é a base de sucralose.

Segundo, evite carnes vermelhas e queijos amarelos. Use carne branca de frango ou preferencialmente de peixe. Use queijos brancos como, minas frescal ou light e ricota ou cotage. Use também a soja que tem proteína e é vegetal e não tem gordura. Mas, procure usar a soja isolada do fitato que é prejudicial a saúde.

Segue uma sugestão de cardápio

Café da manhã

. Shake Herbalife (baunilha, chocolate, morango, frutas tropicais ou cookies & cream) feito com leite de soja sabores light (procure os de soja isolada).

         . Queijo minas frescal.

Lanche da manhã                                  

         . Fatias de peito de peru defumado.

         . Fatias de presunto de peru.

. Uma Sopa Herbalife (frango com legumes, legumes e verduras e quatro queijos) com uma colher da nossa proteína de soja.

. Uma Barra de Proteína da Herbalife (Citrus e Brownie).

Almoço ou Jantar

         . Salada de folhas.

         . Omelete feito com queijo e presunto.

         . Gelatina deit sabor uva.

         . Alternativa Shake da Herbalife com N.R.G. e Chá Shapeworks.

Lanche da tarde

         . Café com leite sem açúcar

         . Fatias de queijo minas, ricota ou cotage.

. Uma Sopa Herbalife (frango com legumes, legumes e verduras e quatro queijos) com uma colher da nossa proteína de soja.

. Uma Barra de Proteína da Herbalife (Citrus e Brownie).

Jantar ou Almoço

         . Salada de folhas.

         . Filés de peito de frango assado.

         . Gelatina diet sabor morango.

         . Alternativa Shake da Herbalife com N.R.G.

Ceia

         . Chá sem açúcar

         . Gelatina diet qualquer sabor.

         . Sopa Herbalife com uma colher de Proteína de Soja

Com esta alternativa você suplementa as vitaminas e minerais e diminui a gordura. Para aumentar a quantidade de fibras sem aumentar as calorias use o Fibras e Ervas da Herbalife.

Veja os produtos em nosso catálogo on line.

www.catalogoherbalifebrasil.com.br

E nossa Loja Virtual www.lojasaudavel.com/fmatteoli 

Publicado em Alimentação, Dieta, nutrição, Obesidade, Reportagem | Deixe um comentário

O SEGREDO DA LONGEVIDADE

O SEGREDO DA LONGEVIDADE

Pela primeira vez, cientistas identificam o conjunto de genes que nas faz viver mais. Seremos capazes de retardar nosso envelhecimento?

Por Marcela Buscato e Allne Ribeiro

Reportagem da Revista Época de 5 de julho de 2010, seção Ciência e Tecnologia – Genética, páginas 60 a 66.

A gaúcha Olivia Franco da Silva faz questão de manter os costumes nutridos ao longo de seus 101 anos. Assim que acorda em sua casa em Alvorada, região metropolitana de Porto Alegre, acende um cigarro. A única diferença é que ela trocou há 15 anos o fumo enrolado em palha, igual ao que roubava da mãe desde os 8 anos, pelos cigarros industrializados. Torresmo, ovo frito e linguiça fazem parte do seu café da manhã. “Se não tiver isso, ela não come”, diz Hevelin Ferreira, de 28 anos, uma de suas mais de 20 netas. Olivia não gosta de comidas “finas” – como chama o arroz e feijão feito com pouco óleo. Para ela, os alimentos devem ser preparados em banha de porco, como seus pais faziam quando moravam na roça. Nos finais de semana, Olivia não recusa uma dose de cerveja preta. Caipirinha só se for de cachaça artesanal, porque a industrializada “parece água de tão fraca”. Com seus costumes simples Olivia cruzou a fronteira dos 100 anos, o que só acontece com uma em cada 6 mil pessoas.
Mais. Ela fez isso contradizendo a fórmula da vida longeva prescrita pelos médicos: alimentação equilibrada, atividade física e uma exis¬tência livre de vícios. Apesar de seus hábitos pouco saudáveis, Olivia nunca foi internada nem toma remédios (diz se prote¬ger com reza e chá caseiro). Não tem sequer colesterol alto.
A vida longa e saudável de Olivia não inspira só aqueles que não conseguem abdicar de seus pequenos pecados cotidianos. Para muitos cientistas, gente como ela guarda o segredo da longevidade. Por que essas pessoas, com tantos anos a mais, parecem ter menos problemas de saúde do que a maioria de nós – que, já no meio da vida, sofremos com hipertensão, colesterol alto, diabetes e doenças cardíacas? “Os centenários são um modelo de como envelhecer porque conseguem postergar o aparecimento de doenças”, diz o geriatra Thomas Perls, pesquisador da Universida¬de de Boston, nos Estados Unidos. “Cerca de 90% permanecem sem problemas de saúde pelo menos até os 93 anos.”
Na semana passada, Perls levou um grupo de cientistas ao mais próximo que a ciência já esteve de revelar o segredo da longevidade. Sua equipe publicou na revista cientifica Science, uma das mais importantes do mundo, uma análise da genética de 1.055 idosos entre 95 anos e 119 anos. Os cientistas investigaram o genoma dos centenários de Boston e arredores que integram um dos mais importantes pro¬jetos de pesquisa sobre envelhecimento, o New England Centenarian Study. Também participaram da análise genética idosos recrutados por uma empresa de biotecnologia americana.
Frente a frente com um grupo tão singular, os cientistas tiveram a chance de avaliar se a receita para uma vida longa estava escondida entre as letras químicas do nosso código genético. Eles compararam os genes encontrados nesses voluntários centenários aos genes de filhos de pessoas que morreram com menos de 73 anos. O resultado da pesquisa mostrou que o grupo de centenários compartilha cerca de 150 variações de genes, que seriam as responsáveis pela longevidade fora do comum – ou excepcional, como chamaram os pesquisadores.
Trata-se da vida longa, sem grandes problemas de saúde, experimentada pela brasileira Olivia e por vários velhinhos ou velhinhas que andam por aí. Se houver um desses em sua família, há bons motivos para comemorar, segundo o estudo liderado por Perls. A descoberta de genes mais frequentes entre as pessoas longevas mostra que, nesses casos, os fatores genéticos são mais importantes na determinação da duração da vida do que os ambientais (o tipo de alimentação e a prática de atividades físicas). Mas atenção: esses casos são exceção. Para a maioria dos mortais, os genes determinam apenas 30% da extensão da vida. Os outros 70% ficam a cargo de nossas escolhas, de como nos cuidamos.
Os cientistas descobriram que não existe uma só configuração genética associada à vida longa. Eles constataram que há 19 tipos de combinações possíveis entre os 150 genes encontrados nos centenários americanos. Cada um dos voluntários se encaixava em um desses 19 perfis genéticos. Uma das configurações conferia maior resistência na velhice a doenças cardiovasculares. Outra diminuía as chances de sofrer de demência. Uma terceira protegia contra o desenvolvimento de tumores. “É como se nós ganhássemos um bilhete de loteria ao nascer”, diz a bióloga Ivana Da Cruz, pesquisadora da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e referência brasileira no estudo dos mecanismos biológicos do envelhecimento. “Ganha o prêmio da longevidade excepcional quem tirar uma dessas 19 combinações.”
A pesquisa é um marco na ciência que estuda o envelhecimento humano (leia sobre o processo na figura abaixo). Pela primeira vez conseguimos um retrato tão abrangente dos fatores genéticos que influenciam na longevidade. O mapeamento genético dos centenários dá aos cientistas a chance de bisbilhotar por entre os vãos dos intrincados processos que resultam no colapso de nosso organismo. Os pesquisadores acreditam que, ao entender os mecanismos que fazem nossas células se degradar, será possível desenvolver tratamentos para retardar esse processo. E, quem sabe, atuar para congelar nossa idade biológica, acrescentando algumas dezenas de anos à vida de quem não tirou o bilhete genético premiado dos centenários. ”Acredito que em um futuro não muito distante muitos de nós teremos a chance de adicionar uma década ou duas de vida saudável a nossa existência”, afirma o geriatra americano Bradley Willcox, pesquisador da Universidade do Havaí.
A convicção de Willcox se deve em parte a sua contribuição na pesquisa sobre o envelhecimento. Ele coordena um dos maiores projetos do tipo, o Okinawa Centenarian Study. O programa acompanha moradores que chegaram aos 100 anos nas ilhas que compõem a província de Okinawa, no sul do Japão. A população de lá tem características peculiares: uma das menores taxas de mortalidade por doenças crônicas do mundo e uma das maiores concentrações de velhinhos centenários. Só o projeto já estudou mais de 900 deles. Ao analisar seus genes, Willcox descobriu que os homens que apresentavam uma determinada variação em um gene do processamento do hormônio insulina tinham até três vezes mais chances de se tomar centenários. É com base nessas descobertas que os pesquisadores sonham com a possibilidade de desenvolver drogas que prolonguem a vida.
As populações mais isoladas, como a de Okinawa, são vistas pelos cientistas como a chave para chegar até os genes que rendam tratamentos para retardar o envelhecimento. Por causa das limitações impostas pela geografia, haveria menos mistura dos genes dos habitantes desses locais com pessoas de outros lugares, o que facilitaria a preservação das sequências genéticas associadas a longevidade. Isso explicaria por que há tantas pessoas de 100 anos em ilhas como Okinawa, Sicília, na Itália, e na Islândia. Ou em Maués, uma cidadezinha brasileira de 47 mil habitantes que já despertou a curiosidade de pesquisadores.

Localizada a 267 quilômetros de Manaus, Maués tem o dobro da média nacional de pessoas com mais de 80 anos: 1 % contra 0,5%. O município até criou um centro de convivência e atendimentos médico e odontológico exclusivos para atender ao perfil inusitado de seus moradores. São pessoas como João Rocha Gomes, que nasceu e cresceu na zona rural de Maués. Em fevereiro, ele completou 100 anos. Como vários de seus conterrâneos centenários, Gomes tem uma disposição difícil de encontrar em gente com 30, até 40 anos a menos. Acorda perto das 3 da manha. Às 7 horas, já esta na roça. Assim ele ajudou a sustentar cinco filhos, três bisnetos e uma quantidade de netos que o fez perder as contas. Numa manhã de domingo, de sol a pino e sob o calor escaldante do Norte, ele trabalhava na lavoura de guaraná. “Não sinto fraqueza”, diz, instantes antes de colocar nas costas um saco com 30 quilos de guaraná e sair andando a passos largos. “Estou sempre forte.”
Maués só ganhou fama de terra da longevidade ha três anos, quando o numero elevado de aposentadorias no município chamou a atenção do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Havia a suspeita de que as pessoas forjavam a idade para receber o beneficio. Por dois anos seguidos, os auditores da Previdência foram até lá investigar. Bateram de casa em casa para visitar os idosos e constataram que todos estavam bem vivos. O episódio atraiu a curiosidade dos pesquisadores de universidades do Amazonas, do Rio Grande do Sul e de León, na Espanha, que estão estudando o caso desde 2008. “Ainda não sabemos as causas, mas os idosos de Maués, além de viver mais, têm menos diabetes, hipertensão, câncer e obesidade”, diz o coordenador da pesquisa, o médico Euler Ribeiro, diretor da Universidade Aberta da Terceira Idade.

Os cientistas não descartam a contribuição preciosa do estilo de vida dos moradores de Maués. Eles não consomem produtos industrializados, ricos em gordura e pobres em nutrientes. Abusam do guaraná, fruto com componentes estimulantes do sistema nervoso central. A alimentação é baseada em hortaliças, legumes e raízes plantadas pelos próprios moradores, para quem também não faltam exercícios físicos. Lavradores em sua maioria, eles vão para a roça, caminham pelas florestas carregando a colheita, sobem e descem morros. Mas, se as hipóteses ambientais ainda são vagas e não comprovadas, o componente genético da longevidade dos habitantes de Maués pode estar perto de ser desvendado. “Os habitantes de lá são frutos de uma mistura de 60% de índios, 20% de europeus e 20% de árabes, judeus e negros”, diz Ribeiro. “São populações ricas em genes associados a Iongevidade.”
Graças a pesquisas como a de Ribeiro, os cientistas estão conseguindo reunir as peças do complexo quebra-cabeça do nosso processo de envelhecimento. Essa área de pesquisa permaneceu dormente até o início da década de 1990, quando a medicina antienvelhecimento ainda era considerada por muitos um assunto para curandeiros. Com a descoberta em 1993 de um gene que aumentaria a duração de vida de um verme, o interesse pelo tema floresceu. Desde então, os cientistas anunciaram a existência de pelo menos uma dúzia de genes da Iongevidade. Era o que se tinha de mais avançado na área, até a semana passada.
Os pesquisadores ainda não tiveram tempo de analisar cuidadosamente cada um dos genes encontrados no novo estudo. A função de alguns é conhecida. Já a associação de outros à longevidade é uma novidade. No geral, eles parecem corroborar as teorias existentes sobre como os genes influenciam nosso envelhecimento. Eles teriam um papel importante nas reações químicas que produzem energia para nosso corpo. Essas transformações geram compostos químicos que vão se acumulando nas células – os radicais livres, que podem se ligar a nosso DNA e causar erros de funcionamento. Nosso organismo conta com genes encarregados de fazer faxinas periódicas no DNA para livrá-lo dos radicais livres. Mas, com o passar do tempo, esses genes deixam de funcionar.

As pessoas com uma das 19 versões da genética premiada teriam variações desses genes mais eficientes na produção de energia. Elas manteriam as células funcionando como se estivessem no modo de economia, gerando menos radicais livres. Os centenários também contariam com genes que promoveriam a faxina no nosso DNA por mais tempo, mantendo seu funcionamento perfeito. “O que faz essas pessoas viver muito mais não é a ausência de genes causadores de doenças”, afirma a pesquisadora italiana Paoia Sebastiani, co-autora do estudo publicado na Science. “As chances de ter genes causadores de doenças e quase a mesma entre os centenários e a população normal. A diferença é que os centenários têm variações de genes que parecem anular a ação dos genes que causam doença.”
A ciência ainda precisa decifrar essa intrincada rede de ação dos genes do envelhecimento para alcançar tratamentos capazes de interferir na duração da vida.
“A pesquisa mostra que há genes demais desempenhando pequenos papeis na longevidade”, afirma o biólogo americano Leonard Guarente, pesquisador do Instituto de Pesquisas Tecnológicas de Massachusetts, responsável pela descoberta, na década de 1990, de um dos primeiros genes da longevidade.

Os pesquisadores já pensaram ter chegado perto de controlar uma das variáveis genéticas que afetam o envelhecimento. Eles descobriram que uma substancia encontrada nas sementes das uvas, nas cascas de uvas pretas e no vinho tinto, chamada resveratrol, seria capaz de ativar o gene que coloca a célula no modo de economia de energia. A descoberta causou sensação no meio científico. Um grupo de cientistas chegou a fundar em 2004 uma empresa de biotecnologia, a Sirtris, para desenvolver uma droga baseada no resveratrol.
Em 2008, a empresa foi vendida por US$ 720 milhões para 0 gigante farmacêutico GlaxoSmithKline, mas os avanços das pesquisas não seguiram no mesmo ritmo de valorização da empresa. Em janeiro, cientistas de uma farmacêutica concorrente divulgaram não ter conseguido comprovar em um novo estudo em laboratório os efeitos antienvelhecimento do resveratrol. Em maio, a própria Glaxo suspendeu uma de suas pesquisas com a molécula em razão de possíveis efeitos colaterais.

Mas ainda ha esperança de que esse seja o caminho para alcançar um tratamento que retarde os efeitos do envelhecimento. “A tendência mais atual é pesquisar formas de colocar o organismo nesse modo de economia de energia”, afirma Maria Luisa Tagliaro, professora de gerontologia biológica da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.
A tarefa é complicada. Além de entender como a ação de cada gene reflete nos demais, os pesquisadores também terão de descobrir como fatores ambientais desencadeiam reações em nosso organismo capazes de alterar o funcionamento dos genes. “Poluição, alimentação, estresse influenciam no funcionamento dos genes”, afirma Sang Won Han, professor da Universidade Federal de São Paulo, especialista em terapia genética. Por isso, quem não nasceu com o bilhete premiado precisa dar uma forcinha à própria genética. “Uma dieta saudável, a prática de atividades físicas e o controle do estresse ainda são o verdadeiro elixir da juventude”, diz Ivana, da UFSM.
O paulista José Aparecido Rodrigues Prado, de 94 anos, pode até ter ganhado na loteria genética da longevidade, como a idade avançada permite supor. Mas ele preferiu não pagar para ver. Nunca gostou de beber nem de fumar. Sempre comeu de tudo, mas em quantidades moderadas e com uma preocupação: “Se a comida me fez mal uma vez, nunca mais como”, diz. Com a idade, o zelo com o corpo aumentou. Hoje Prado come pouca carne vermelha, aboliu a margarina, adora frutas e não chega perto de doces e refrigerantes. Todos os dias, com assiduidade religiosa, caminha mais de 2 quilômetros.
Aqueles que não têm a disposição de Prado podem sonhar com o dia em que a ciência chegara a tratamentos que confiram as benesses de uma genética privilegiada. Bem antes desse dia, e provável que os mais ansiosos possam ter uma idéia da sorte que tiraram no bolão genético – pelo ritmo da evolução tecnológica nessa área, não deverá tardar até que laboratórios estejam prontos para oferecer testes acessíveis para rastrear os 19 perfis genéticos associados à longevidade. Mas os próprios pesquisadores avisam: o melhor modo de chegar bem a terceira (ou quarta) idade ainda é, e continuará sendo, cuidar bem da própria saúde. .

Com Daniella Cornachione

Publicado em bem estar, Longevidade, nutrição, saúde | Deixe um comentário

O USO ADEQUADO DO SAL; A QUANTIA CERTA

O USO ADEQUADO DO SAL; A QUANTIA CERTA

por Jocelem Salgado

O sal é uma substância essencial ao homem e indispensável a todos os tipos de vida animal. A sua produção e utilização datam do início da civilização, sendo a salga dos alimentos um costume bastante difundido no Egito, cerca de 4.000 anos antes da era cristã.
Na Grécia e em Roma, o sal era utilizado como moeda nas operações de compra e venda, e uma curiosidade interessante é saber que a palavra latina “salário” deriva do sal, já que em sal pagava-se uma parte do ganho das legiões romanas.
No final do século XlX, o sal que antes era usado como condimento e produto medicinal, passou a ser uma das matérias primas essenciais para a indústria química e têxtil. Por isso, além de ser empregado no preparo de alimentos, o sal hoje é utilizado para outros fins como na produção de cloro, soda cáustica, barrilhas, ácido clorídrico, vidro, alumínio, plásticos, borracha, hidrogênio, celulose e outras centenas de produtos das indústrias química e metalúrgica.
Mas vamos falar do que entendemos e do que nos interessa, ou seja, qual é a quantidade de sal que devemos ingerir e porque o seu consumo excessivo pode trazer vários prejuízos para o nosso organismo.

Sal e sódio: entenda a diferença

Apesar dos termos serem usados indiscriminadamente, sal e sódio não são a mesma coisa. O sódio (Na) é um mineral que se liga ao cloro (Cl) para formar cloreto de sódio (NaCl), estes sim o nosso sal de cozinha.
O sódio apresenta um papel importante em diversas funções do organismo, principalmente no equilíbrio entre os fluidos celulares e extra – celulares. Atua também na transmissão de impulsos nervosos em todo corpo, permitindo assim o funcionamento do cérebro e o controle de nossas funções vitais.
Já o cloro, outro mineral que compõem o sal, também é essencial para uma boa saúde e é fundamental para o processo digestivo. No estômago, ele é a base para o suco gástrico, que “quebra” e ajuda a digerir os alimentos. Ele também aumenta a capacidade do sangue de carregar gás carbônico das células para o pulmão. Juntos, na forma de sal, sódio e cloreto (cloreto de sódio) estão presentes em todos os tecidos e fluidos do organismo humano, como por exemplo, o suor e as lágrimas. Um homem adulto tem cerca de 250 gramas de sal em seu corpo.

Excesso de sal: o sódio é o inimigo

O sódio está presente naturalmente na maioria dos alimentos, mas o seu consumo excessivo ocorre quando ingerimos sal exageradamente, já que este alimento é a fonte mais abundante desse mineral. O sódio, e não o sal em si, é o elemento diretamente relacionado com a hipertensão (pressão arterial elevada) e outros problemas como derrame cerebral, catarata, problemas renais e até mesmo casos de câncer gástrico (estômago).
Embora a ingestão diária recomendada para uma pessoa saudável seja de 2,4g (o equivalente a uma colher de chá de sal), verifica-se que o brasileiro consome entre 4 – 6g por dia. Desse total, cerca de 75% é adicionado durante o preparo do alimento, com o objetivo de preservá-lo ou para lhe dar sabor. O restante está presente naturalmente no alimento.

Hipertensão – O papel do sódio e do potássio

Deixar de colocar aquela pitadinha de sal a mais na comida pode ser melhor para o organismo do que se pensava anteriormente; os estudos mostram que pessoas hipertensas poderiam até parar de tomar remédios se diminuíssem a presença do tempero em suas dietas. Isto porque o sódio presente no sal influencia o sistema circulatório e afeta a habilidade dos rins de excretarem resíduos e líquidos.
Quando o nível de sódio do organismo é baixo, os rins aproveitam as substâncias químicas da urina, devolvendo-as para a circulação. Alguns indivíduos, entretanto, possuem uma tendência genética a reter mais sódio que necessário. Dessa forma, o organismo também precisa de mais líquido para equilibrar a concentração de sódio no sangue. Portanto, os rins retiram menos líquidos do organismo e, consequentemente, há uma diminuição na excreção de urina. Dessa forma, o coração é forçado a bombear com mais força para manter um volume maior de líquido em circulação, aumentando, assim, a pressão arterial.
Vários estudos comprovam que a restrição do sal pode ser extremamente benéfica para a redução da pressão. Um deles, publicado no New England Journal of Medicine, foi realizado por pesquisadores da Universidade de Harward e do Instituto Nacional do Coração, Sangue e Pulmão, nos Estados Unidos. Com o objetivo de determinar o que aconteceria com a pressão sangüínea de pessoas que fazem dietas com presença diferenciada de sal, 412 participantes foram separados, aleatoriamente, em 2 grupos de dieta: a primeira, tipicamente americana; a segunda, chamada de ” Técnicas de Dieta para Parar a Hipertensão” (DASH) era rica em frutas, vegetais e laticínios pouco gordurosos.
As pessoas seguiram então o programa alimentar durante 30 dias, alternando três níveis diferentes de sal: 3,3g/dia (a média americana), 2,4g (o máximo recomendado pela Associação Cardíaca Americana) e 1,5g / dia. Os participantes do segundo grupo apresentaram uma redução quase duas vezes maior da pressão do que aqueles do primeiro grupo e os ganhos foram consideráveis diante de uma redução diária de sal.
Embora o sódio seja o mineral mais diretamente relacionado com a hipertensão, sabe-se hoje que outros minerais podem também interferir nos níveis de pressão. Há fortes indícios de que os níveis de potássio também sejam muito importantes. De acordo com estudos, o potássio protege contra o aumento da pressão e o acidente vascular cerebral. O que determina o nível de pressão não seria, portanto, a quantidade de sódio isoladamente, mas a relação potássio / sódio, que deveria ser de 1 para 1,5; em geral essa relação é de 0,3 para 1. Alimentos ricos em potássio são o brócolis, os legumes, o abacate, a banana, batata, entre outros.

Catarata x excesso de sal

Um estudo divulgado pela revista American Journal of Epidemiology mostra que pessoas que consomem uma dieta rica em sal podem ter mais chances de desenvolver catarata, uma doença que se não for tratada pode levar a cegueira. O estudo avaliou a alimentação de três mil adultos entre 49 e 97 anos e chegou a conclusão de que os voluntários que consumiam mais sal tinham um risco duas vezes maior de sofrer um tipo específico de catarata. O estudo também observou que as pessoas que consumiam mais sal tinham um risco maior de desenvolver outras doenças, como diabetes e hipertensão. Atualmente, os dados mostram que entre os adultos com mais de 80 anos, 60% dos homens e 70% das mulheres têm catarata.

Fique atento (a) aos rótulos

Os alimentos industrializados podem ser fontes muito ricas de sódio. Por isso, devemos ficar atentos aos rótulos. A nova legislação obriga os fabricantes de alimentos e bebidas incluírem nas tabelas de informação nutricional, a quantidade de sódio presente, bem como o valor diário de referência por porção (VD). Isto quer dizer que se no rótulo de uma massa congelada, por exemplo, você observar um VD de 40%, quer dizer que você estará ingerindo 40% do sódio necessário para atingir suas necessidades diárias. E isto em apenas uma porção do alimento.
Devemos ficar atentos também aos termos que indicam a presença de ingredientes ricos em sal como salmoura, curado, salgado, picles, consomê e molho de soja. Picles e outros condimentos como mostarda, ketchup, molhos de salada e molhos de churrasco são ricos em sódio.
A seguir, veja alguns exemplos de alimentos industrializados ricos em sódio:

ALIMENTO SÓDIO (mg)

Azeitona verde (cerca de 30 g) 925 mg
Picles (cerca de 30 g) 440 mg
Biscoito salgado (cerca 30 g) 475 mg
Bacon (03 fatias grelhado) 300 mg
Batata frita (cerca de 30g) 135 mg
Salame (cerca de 50 g) 575 mg
Presunto magro (cerca de 50 g) 700 mg
Dicas para redução da ingestão de sal
O consumo médio de sódio do brasileiro como vimos pode chegar até 6g/dia, sendo que o recomendado para uma pessoa saudável deveria ser não mais que 2,4 g. Do total consumido, 2/3 vem do sal colocado em alimentos processados, 1/6 ocorre naturalmente como mineral na comida e apenas 1/6 é sal de mesa. Portanto, parece que preparar as refeições em casa e evitar alimentos industrializados são atitudes que ajudam a diminuir a ingestão desse mineral em excesso. Veja a seguir algumas informações que poderão ajudá-lo (a) a reduzir o consumo de sódio:
– Fique atento(a) aos rótulos. Dê preferência à produtos com quantidade de sal reduzida ou sem sal

– Retire o saleiro da mesa, muitas pessoas tem o reflexo de colocar sal na comida quando vêem o saleiro.

– A quantidade de sal e outros temperos salgados, na maioria das receitas, pode ser reduzida pela metade (ou até mais) sem uma mudança perceptível no sabor ou na textura.

– Abuse de ervas e condimentos, alho, cebola e suco de limão. Eles podem dar um novo sabor para o alimento

– No restaurante, peça para que os molhos sejam servidos à parte ou, se possível, peça para que alguns pratos sejam preparados sem sal.

– Não existem estudos que comprovem que o sal marinho seja mais saudável que o sal de cozinha. O conteúdo de sódio de ambos é semelhante.

Mais informações: www.jocelemsalgado.com.br

Resumo e Recomendação

Consulte o seu clínico ou cardiologista. Siga a orientação dele, principalmente quanto à medicação.

Na área de nutrição evite o sal e os alimentos que contém sódio. Procure ler sempre para a informação nutricional e selecionar sempre os alimentos com menor quantidade de sódio. Coma mais frutas, evite molhos, use temperos como: alho, cebola e limão. Beba muita água durante o dia, de preferência 2,5 l, ou seja, 10 a 12 copos de 250 ml.

Substitua pelo menos uma refeição (o ideal são duas refeição) com o Pó nutricional da Herbalife que tem baixo sódio, 97 mg (4%) da quantidade diária de sódio. Neste caso misture preferencialmente com um suco de frutas.

Use também o Herbalifeline ele, além de ajudar a preservação de vários órgãos vai ajudar a melhorar a corrente sanguínea que atuará na redução e melhora da pressão.

// // // //

Publicado em Alimentação, bem estar, Hipertensão, nutrição, saúde, Sódio | Deixe um comentário